Desafiando conceitos

Poker é um jogo de habilidades, sendo considerado um esporte da mente. Não é a habilidade, ou a sua falta, que caracteriza não ser um jogo de azar, mas simplesmente porque o jogador interfere no resultado das jogadas .Quanto maior é a habilidade do jogador, maior é a chance de vitória, porém a sorte ou azar tambem se fazem presentes devido ao fator aleatório no embaralhamento e distribuição das cartas.

Por mais que o jogador tenha habilidade para induzir seu adversário a desistir das apostas, ou aposte com a melhor chance estimada em determinada street, o resultado será dependente da ação dos outros jogadores, ou, quando houver o show down, da melhor combinação entre as cartas comunitárias e as cartas dos jogadores, que já estava determinada quando as cartas foram embaralhadas e distribuídas.

O fator habilidade no jogo de poker é imprescindível. Sem ela qualquer jogador pode até vencer uma jogada, mas raramente vai vencer um torneio, porém a sorte ou azar no resultado final das jogadas é o fator determinante. O importante é fazer a jogada correta para cada situação.

É preciso entender que a variância, resultados não esperados no curto prazo, fazem parte do cotidiano do jogo. O importante é fazer a jogada adequada conforme seu conhecimento do estilo de jogo e os padrões dos oponentes. A habilidade se sobrepõe à variância no longo prazo, pois os jogadores habilidosos vencem mais vezes, mas a habilidade não supera a sorte em momento algum.

O que se pode dizer é que em uma grande amostra, na média , o jogador muito habilidoso terá melhores resultados que o jogador habilidoso, que terá melhores resultados que o jogador pouco habilidoso, que terá melhores resultados que o jogador sem habilidades, mas que esse último pode eliminar um jogador muito habilidoso em um torneio específico.

Habilidade é fazer a jogada correta para cada situação. Não considere jogada boa “a longo prazo”. Pode até existir jogadas com chances matemáticas idênticas, mas cada jogada é única. Os estilos dos adversários são diferentes, os stacks são diferentes, a situação no torneio é diferente, a importância do torneio é diferente...Não considere somente o fator Pot Odds para dar um call , mas sempre em conjunto com outros fatores, principalmente analisando qual será sua situação em fichas se ganhar ou perder a mão.

Não se iluda com estigmas. Não existe jogador tight agressive .O que distingue os jogadores é sua habilidade e a aversão ou propensão ao risco. O jogador que joga várias mãos ou é um jogador pouco habilidoso de atitude passiva ou que corre mais riscos, com atitudes ativas, blefando e aumentando as apostas. O que joga menos mãos também são ou jogadores pouco habilidosos, ou são conservadores que correm menos riscos, selecionando melhor suas mãos iniciais.

Resumindo, no jogo de poker...

1) Habilidade é essencial, a sorte é determinante;

2) Resultados inesperados são cotidianos;

3) A habilidade compensa a variância no longo prazo;

4) A habilidade não compensa a sorte em nenhum momento e em prazo nenhum;

5) Não existe jogada boa a longo prazo, mas sim, jogada correta para cada situação;

6) O que distingue os jogadores, é a habilidade e a propensão a risco;

7) O jogador tight não pode ser considerado tight agressive. Agressivo é quem corre mais riscos. Apostar com boas mãos não o torna agressivo.


Poker: esporte, amizades e trofeuzinhos.

Poker: esporte, amizades e trofeuzinhos.
Poker: esporte, amizades e trofeuzinhos.

sábado, 26 de março de 2016

Como vencer um torneio de Poker

Vove pode estar pensando que vou dar uma aula, mas temos que ser realista. Quando ganhamos um torneio , o nosso ego nos faz pensar bobagens, como "joguei o meu melhor", "o longo prazo chegou", "jogo melhor que os outros" etc..., mas temos que ter a humildade de reconhecer que precisamos ter sorte, e é ela quem decide quem vai ganhar. Lógico que é preciso ter habilidade, estratégia, agressividade nos momentos certos mas principalmente de sorte. Eu costumo valorizar estratégias como tournament live, administração do stack, pois se formos eliminados não ganhamos, mas é essencial ir aumentando a quantidade de fichas ao longo da competição, correndo riscos calculados, tendo leitura dos adversários e das jogadas, e muita agressividade na reta final. Recentemente cravamos a Copa Carioca e ainda tenho as memórias das jogadas decisivas, sendo que em algumas contei com muita sorte. Antes de entrar "in the money", fui all in PF com KK e quebrei um AA. Dai para a frente , ganhei alguns coin flips, sim é preciso vencê-los, um potezinho aqui outro ali, e fui administrando o jogo para chegar na mesa final. Na mesa semifinal, joguei com o cheap leader, e "peguei um tell" de que ele não estava disposto a arriscar perder muitas fichas, percebendo que ele evitava pagar os "all ins". Na mesa final, entrei na 7a colocação, e na primeira órbita , o líder em fichas abriu um raise PF e eu no BB voltei all in, ele pensou e largou mostrando KJ e eu mostrei A9. Esse show me ajudou na mão seguinte , onde abri com QQ e o BB voltou all achando que eu estava light,que segurei contra um ATs, fazendo a primeira das 6 eliminações que consegui na mesa final. Em seguida dei call num all in de um short stack com QTo, fazendo a segunda eliminação. Um oponente estava jogando bem agressivo e num certo momento ele fez um raise PF e eu voltei all in, ele toldou e mostrei meu 97o dizendo que estava cansado de dar fold no meu BB. Em seguida ele foi all in e eu foldei KQs. Novamente ele foi all in PF e eu o eliminei pagando com KQo. Nesta altura estávamos four handed, onde eu e mais dois estávamos com o stack parecido e foi feito um acordo. Em seguida eliminei o quarto colocado pagando seu all in com AQo. Em outra mão, ganhei um pote grande, blefando um possível flush no River, mostrando um 2 que não era do naipe. Isso me ajudou em seguida , quando peguei a um AA e consegui eliminar esse mesmo oponente pois ele achou que eu estava blefando novamente. No heads up , eu comecei na liderança contra o jogador que entrou cheap leader disparado na mesa final, já que eu eliminei 5 jogadores e ele não eliminou ninguém. Houve várias reviravoltas na liderança , quando fui all in PF com K6o estando atrás em fichas, ganhando do 77 do oponente com um K no bordo. Na jogada final, ganhei um all in PF com um AJs contra TT. Percebam que eu poderia ter sido eliminado sem entrar na faixa de premiação naquele KK X AA , o que poderia ser um resultado natural do jogo, onde temos mais tristezas do que alegrias. É necessário ter o baralho do seu lado , e ter agressividade e , ela de novo, sorte na mesa final. O importante é que veio mais um troféu para a coleção.

terça-feira, 15 de março de 2016

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Habilidade no Poker

Poker é sorte ou habilidade? Você já deve ter visto essa pergunta várias vezes não é mesmo? Toda vez que há essa discussão, vem a preocupação com a legalidade do jogo, já que para ser considerado jogo de azar, o resultado deve depender exclusivamente ou principalmente da sorte. Existem também os interesses dos empresários, dos jogadores que vendem livros , que dão treinamento, etc... Então no nosso meio, já encerramos a discussão dizendo que poker é um jogo de habilidade. Vamos esquecer por um momento essas preocupaçõe e admitir como verdades as seguintes afirmações: 1) Sorte e Habilidade são fatores importantes; 2) Em qualquer disputa,quem tem mais habilidade tem mais chances de vitória; 3) O fator sorte (fatores aleatórios) é igual para todos os jogadores, 4) em uma competição em que as habilidades dos competidores são mais iguais, a sorte será o fator diferencial. Vamos supor as seguintes situações , poker é 75% habilidade e 25% sorte ou 50% habilidade e 50% sorte ou 25% habilidade e 75% sorte. Se quem tem mais habilidade tem maior chance e se os fatores aleatórios, ou sorte, são iguais para todos os jogadores, então não devemos nos preocupar com esses percentuais e sim em procurar ser mais habilidoso. Claro que existem a genialidade e a destreza natas, e que possa existir aquela estrela da sorte, que independem da nossa vontade ou esforço, mas com o estudo e treinamento, podemos nos tornar um jogador habilidoso e numa grande amostra de resulados, termos mais chances de ser lucrativo, no curto, médio ou longo prazo. Mas não acredite na afirmação que a habilidade supera a sorte no longo prazo, pois a qualquer tempo não podemos controlar a sorte. A habilidade é essencial mas a sorte é determinante.

sábado, 13 de fevereiro de 2016

Poker na Globonews, crise e oportunismo

A Globonews fez uma reportagem sobre o poker , exibida no programa estúdio I. A chamada da matéria é que a crise econômica e a disparada do dólar estão motivando as pessoas a tentarem ser profissionais do poker. Aproveitando a oportunidade o Igor Federal, presidente da CBTH, fez o seu trabalho de divulgação e aceitação do jogo pela sociedade com a competência de sempre. Os maiores beneficiados pela matéria, foram o Akkar, que teve seu centro de treinamento destacado e o Bueno, que é instrutor de poker, que dando entrevista, participa concordando que com a crise e a disparada do dólar está havendo uma procura maior pelos treinamentos. Será que isso é mesmo verdade? Se for, tem uma questão ética a ser abordada. Sei que é o ganha pão dessas jogadores que dão coach, mas sabemos que para ser profissional de poker, além da dedicação e treinamento, exige uma competência nata como em outras atividades para poder ser bem sucedido. Será ético, por causa da crise, incentivar as pessoas desesperadas a abandonarem suas profissões para se aventurarem num campo que mal conhecem? A åncora do programa não soube debater o assunto, é ridiculamente preferiu derivar para o pif paf. Será que o boom do poker no Brasil está associada à crise econômica ? Será que a principal motivação das pessoas para jogarem poker é a falta de grana?

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Last longuer de malucos

No BSOP SP, torneio NLH Win The Button, dois malucos fizeram uma aposta. Cada um em uma mesa, teriam que dar até 20 all ins PF seguidos no escuro, ou até a eliminação de um dos dois. Pior é que o que venceu, jogava na mesma mesa que eu, a minha esquerda, e ficou monstro em fichas , e continuava dando all ins malucos a todo momento. Em um momento alguém fez um trap e limpou de KK, o maluco foi all in PF e ganhou com KJ. Moral da história, não consegui jogar pois não conseguia ver um flop e não veio mãos prêmios. Alguém pega um bet desses?

sábado, 26 de dezembro de 2015

Legalização do poker e dos jogos de azar

Pode ser que legalizem os jogos de azar, e o Poker live possa ainda se passar desapercebido .Para se fazer qualquer tipo de prognóstico de como ficará a nova legislação referente a jogos em geral, não se pode perder o foco de que a motivação é a cobrança de impostos e não de simples regulamentação do que hoje existe fora do radar do governo. Não falarei sobre os jogos de azar especificamente, estamos preocupados com o futuro do poker. Podemos segmentar o poker em cash games, jogos on line, e torneios de poker live. No passado os casinos foram proibidos no Brasil, onde o poker na sua forma tradicional era praticado em casinos na forma de apostas monetárias. Os empresários atuais conseguiram manter seus negócios em cash games mostrando uma interpretação da legislação atual, de que o poker não é um jogo de azar e sim de habilidade. Essa discussão vai acabar com uma nova legislação e possivelmente os cash games só serão permitidos em casinos que deverão ser licitados e tributados. Ao longo do tempo surgiram os sites de jogos de poker e de apostas esportivas, além de outros, mas que não foram acompanhados de uma regulamentação no Brasil, e que possivelmente serão enquadrados da mesma forma numa nova legislação, que, além da cobrança de impostos, terá a preocupação com lavagem de dinheiro e transferências de divisas. O poker live em formato de torneio, que tem um forte componente esportivo, teve uma evolução acentuada no mundo todo, notadamente no Brasil, e se não fosse o interesse dos empresários em manter os cash games à esteira do sucesso dos torneios de poker, esse segmento já poderia ter sua regulamentação própria , pois já houveram decisões na justiça favoráveis a favor de torneios de poker, mas os cash games continuam questionados. Provavelmente os torneios de poker possam ter uma regulamentação específica com a tributação incidindo nos organizadores, e possam ser praticados fora dos casinos. O desenvolvimento do poker no Brasil sempre foi delegado pela comunidade ao seu principal empresário, o Igor “Federal “, que além de organizador de torneios, também é empresário de casas de cash games, que está representando a comunidade do poker em geral nas discussões com o governo através da CBTH. A CBTH é uma representação dos clubes de poker. A pergunta que se faz é: “não seria necessário que houvessem outros representantes da comunidade, principalmente de jogadores, que defendessem interesses específicos para cada modalidade?”.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Poker, habilidade ou esperteza?

Estava jogando um torneio conceituado aqui no Rio de Janeiro, a Copa Carioca no clube River Texas, agora no final de 2015, quando tive uma atitude infeliz. Estava na posição 9 jogando uma mão com um oponente da posição 8. Resumindo, eu tinha um Ax , fora de posição, e fui pagando as opostas num bordo que tinha 2 ases. Quando dei call na aposta no river, o malandro que deveria mostrar as cartas antes falou "puxou" e colocou as cartas um pouco à frente. Eu, muito burro, coloquei as cartas em direção ao dealer, que "mucou" as minhas cartas primeiro. O malandro resolveu abrir as cartas dele que ainda estavam na mesa , que não tinha acertado nada, e reivindicou o pote. A dealer disse que o pote era dele pois eu muquei as minhas cartas. O diretor foi acionado e, ouvindo o relato, disse ao malandro que ele me induzido ao erro. A dealer alegou que eu muquei as cartas. O diretor disse que eu não precisava mostrar minhas cartas. Pensei que o diretor iria mandar a dealer me dar o pote e dar uma advertência ao malandro, mas o malandro continuou reclamando e o diretor resolveu dar o pote para ele e não deu advertência nenhuma. Moral da história, todos estavam errados.